1 de agosto de 2020

Paraná quer retomar as aulas em setembro com ensino híbrido

Um suposto termo de responsabilidade que deve ser assinado por pais de alunos do Paraná gerou polêmica neste sábado (1º), nas redes sociais. Isso aconteceu porque o modelo diz que os responsáveis estão cientes “do agravamento e dos riscos que envolvem o retorno às aulas presenciais, não podendo responsabilizar a instituição de ensino, bem como o Governo do Paraná por eventual contaminação ou desenvolvimento de Covid-19”.Nas redes sociais, o texto do documento causou insatisfação dos pais.
Alguns afirmam que as crianças não podem voltar para às escolas antes da vacina. Outros alegaram que as aulas remotas são a maneira mais segura e pedem para que o ano letivo continue dessa forma.
Já a Seed (Secretaria de Estado da Educação do Paraná), diz que o documento é um esboço do termo de responsabilidade que os pais de alunos do Paraná devem assinar e que ele ainda irá passar por algumas alterações. “Não foi aprovado, é uma coisa que está em estudo”, afirmou a assessoria de comunicação da Seed. O documento foi encaminhado para os membros do comitê.
O protocolo de volta às aulas no Paraná prevê uma consulta aos pais, com o objetivo de entender qual modelos os responsáveis se sentem mais seguros: presencial ou remoto.
“Nós vamos aplicar uma pesquisa para verificar a intenção da família em levar o aluno na aula presencial. Se a família entende que o aluno não deve retornar, essa vontade da família vai ser respeitada e o aluno continua o ano letivo de maneira remota”, afirmou Gláucio Dias, diretor-geral da Seed. Após grande repercussão nas redes sociais, a Seed divulgou que o documento é falso.


termo-responsabilidade-pais-volta-as-aulas-parana

PROTOCOLO DE VOLTA ÀS AULAS NO PARANÁ

O protocolo, divulgado nesta semana pela Seed, prevê um distanciamento de 1,5m em todos os espaços. Além disso, será feita também a aferição de temperatura de todos que entrarem a escola, tendo como limite 37º.
Já os horários de entrada e saída devem ser redefinidos e intercalados, para evitar a aglomeração de pessoas e a circulação simultânea de grande número de alunos e nas áreas comuns. A compra de insumos, como álcool em gel, e EPIs, como máscara de proteção, está prevista.
Quando a data for definida pela Sesa, o protocolo prevê um retorno gradual, por faixa etária, na seguinte ordem:
Comitê de Volta às Aulas criado pelo Governo do Estado apresentou nesta quinta-feira (30) o projeto de retorno às aulas no Paraná. O protocolo prevê o ensino híbrido, com a manutenção das aulas on-line e com aulas presenciais escalonadas, a partir de setembro. As aulas na rede estadual foram suspensas no dia 20 de março, quando o número de infectados pela covid-19 passou a se intensificar no Paraná.
Embora o retorno das atividades presenciais dependa do aval da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), a Secretaria de Estado da Educação (Seed) projeta a retomada das atividades aos mais de 1 milhão de alunos da rede estadual de ensino para setembro.
“A volta será no mês de setembro, ainda não há definição sobre início ou fim de setembro. Isso será definido nos próximos 15 dias”, afirmou Gláucio Dias, diretor-geral da Seed, em entrevista à RPC.

ENSINO HÍBRIDO E CONSULTA AOS PAIS

Os trabalhos do Comitê, composto pela Secretaria de Estado da Educação (Seed), representantes do Ministério Público do Paraná e deputados da Assembleia Legislativa, além de representantes de escolas públicas e privadas, pais e alunos, se intensificaram nas últimas semanas, por meio de encontros on-line.

Além das medidas de segurança sanitária e pedagógicas previstas, o protocolo ainda estabelece a participação dos pais em uma consulta sobre o modelo proposto.
A medida, segundo a Secretaria Estadual da Educação (Seed) tem por objetivo entender se os pais se sentem mais seguros em manter seus filhos apenas no sistema remoto ou se adotam o modelo presencial. 
A Seed também orientou a rede particular do estado a consultar os pais sobre o retorno das atividades presenciais.
já é certo, entretanto, que o sistema híbrido será adotado no estado. O modelo prevê que os estudantes sejam divididos em grupos, que farão revezamento, permanecendo por uma semana em aulas presenciais e por uma semana em aulas remotas (on-line).
O retorno das aulas no sistema híbrido será por faixa etária, começando por estudantes do 3º ano do Ensino Médio e 9º ano do Ensino Fundamental. Na sequência, com estudantes do Ensino Médio, Ensino Fundamental I e II e por fim a Educação Infantil.
Ainda de acordo com a Seed, a retomada de conteúdos é uma das preocupações do protocolo, que contará com atividades de recuperação e atendimento de estudantes com maior dificuldade.

5 MILHÕES DE MÁSCARAS E 400 MIL LITROS DE ÁLCOOL/MÊS 

Entre as principais medidas sanitárias previstas pelo protocolo estão a compra de insumos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para alunos e funcionários.
Só para a rede estadual serão adquiridos, 5 milhões de máscaras de tecido, 200 mil litros álcool em gel por mês, outros  200 mil litros de álcool 70% por mês, 95 mil luvas, 10 mil termômetros, 15 mil toucas, 105 mil dispensers, 15 mil macacões e 15 mil botas, segundo a Seed.
O plano do Comitê de Volta às Aulas também estabelece o distanciamento social de 1,5m nas salas de aula. 

    Será feita também a aferição de temperatura de todos que adentrarem a escola, tendo como limite 37º.

    REDAÇÃO: Paraná Portal

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário