29 junho 2018

Chipagem vai auxiliar prefeitura de Mamborê no controle populacional de cães e gatos

O prefeito de Mamborê, Ricardo Radomski (PSD), vai realizar uma ação inédita no município, em breve, no sentido de implementar políticas públicas para o controle da população animal. Trata-se da identificação de cães com a aplicação de microchips. O controle populacional será feito também em gatos. Paralelo a isso, o município inicia nos próximos dias a construção de um canil para o recolhimento dos animais. 

A administração já fez o processo licitatório para o fornecimento (sob demanda) de microchips, aplicador de microchips e gravador e leitor de microchips. O serviço será feito por clínicas credenciadas a prefeitura. O município já dispõe também de um projeto de lei para aplicação de multas em caso de animais identificados encontrados soltos nas ruas.

Radomski destacou a iniciativa. “Desde que assumimos a prefeitura firmamos o compromisso com entidades ligadas à proteção animal e que pudessem atender ao controle populacional de animais. Um grande passo está sendo dado com a construção do canil e projeto de chipagem. Ao contemplar uma ação que visa o controle e proteção dos animais estamos dando outro grande passo para melhorar cada vez mais a qualidade de vida de todos”, falou o prefeito.

De acordo com o secretário de Governo, Thiago Antonio Zanini, uma das prioridades da gestão municipal é resolver o problema dos animais de rua. “Para isso estamos planejando o controle populacional com a aplicação de microhips nos animais, vacinas, e programa de castrações”, comentou. Segundo ele, na primeira etapa será feito o recolhimento dos bichos das ruas e castração e, posteriormente, a implantação de chips para o monitoramento. Após isso, a ideia é ampliar a chipagem também em animais particulares.

O secretário estima que em Mamborê existam entre 700 a 800 cães de rua. De acordo com ele, a partir da identificação do animal, serão estabelecidas todas as medidas de controle e fiscalização. Nos dados do chip, deverão constar número do RGA (Registro Geral de Animais) o nome do animal, sexo, raça, cor, idade, data da vacinação, nome e endereço do proprietário entre outras informações. “Quem tiver o animal cadastrado com microchip e não tiver os cuidados, como deixar ele solto na rua, será penalizado. Acredito que tratando a situação desta forma as pessoas passarão a ter mais responsabilidade com os bichos”, espera.

Zanini reconheceu que a situação é um problema de saúde pública. No entanto, disse que a secretaria da Agricultura e Vigilância Sanitária vem trabalhando em conjunto com uma associação de animais no município para amenizar o problema. Ainda segundo ele, com a implantação do projeto, todos os animais de ruas sem identificação recolhidos pelo município serão chipados para que possam passar a ser monitorados posteriormente.

Canil de Mamborê será referência na Comcam, diz secretário

Dentro do programa do controle populacional de cães e gatos, a prefeitura de Mamborê dará início nos próximos dias à construção de um canil municipal, que segundo o secretário de Governo, Thiago Zanini, será referência para a região da Comcam. O projeto foi encaminhado pela prefeitura no início do segundo semestre de 2017 ao Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e passou por ajustes a pedido do próprio Conselho. O município aguarda agora a análise final para o início da construção, o que deve ocorrer atéo começo de julho. 

A prefeitura já realizou a licitação para a obra, que terá o investimento de R$ 48 mil. A empresa Ilma Waltmann e Cia Ltda, de Roncador foi a vencedora do certame. O canil será construído em placas prémoldadas e terá 130m² de construção, sendo 91,09m² de área coberta. Sua capacidade será para até 100 cães. A obra será feita em um terreno nos fundos do Parque de Exposições. 

“Desde que a administração assumiu o município existia essa preocupação com animais de rua. No início da gestão o prefeito Ricardo já tinha pedido para nós a elaboração de um projeto para o canil”, comentou Zanini. Segundo ele, a construção do canil será primordial para implantação do projeto de controle populacional de animais na cidade. “Para ter o controle populacional temos que ter um local para abrigar os animais. Nada havia sido feito neste sentido antes no município”, ressaltou o secretário de Governo. 

Segundo ele, após a construção do canil, a prefeitura começará a organizar feiras de adoções. Serão realizadas também campanhas de conscientização sobre os cuidados e reponsabilidades que o morador deve ter com seu animal de estimação. Zanini disse acreditar que após as ações implantadas, em 5 anos o município já tenha um controle efetivo de todos os animais.



FONTE: Walter Pereira / Tribuna do Interior 


Nenhum comentário:

Postar um comentário