11 setembro 2016

Justiça nega candidatura a Tureck e indefere chapa de Regina

A juíza da 31ª Zona Eleitoral de Campo Mourão, Gabriela Luciano Borri Aranda negou o registro de candidatura ao ex­prefeito Nelson Tureck (PEN), impedindo ele de disputar as Eleições Municipais e indeferiu a chapa na majoritária da prefeita Regina Dubay (PR), concorrente a reeleição. Tureck é candidato a viceprefeito de Regina na coligação “Campo Mourão Pronta Para o Futuro”. A decisão foi tomada com base em ação de impugnação movida pelo vereador Luiz Alfredo da Cunha Bernardo (PT do B).

Bernardo ingressou com a ação na Justiça alegando que Tureck está inelegível e por isso não poderia participar do processo eleitoral. Havia outros dois pedidos contra o ex­prefeito, um do Ministério Público (MP) e outro da coligação do vice­prefeito Rodrigo Salvadori (PSD), que também disputa a eleição de prefeito na cidade. Diante da situação, Regina tem duas opções: pode substituir Tureck até segunda–feira (12) ­ último prazo para substituições de candidatos­, continuando candidata; ou recorrer tentando reverter a decisão em Curitiba ou Brasília no Tribuna Regional eleitoral (TRE).


Bernardo alegou na ação que Tureck, no exercício do mandato de prefeito foi processado pelo crime que ficou conhecido na cidade como “Sacolinha da Tim” numa ação cível e penal e quando foi para reeleição, em 2008, cometeu abuso do poder econômico, sendo beneficiado pela prática criminosa. 

Por força dessas condenações, ele recebeu multas eleitoras, e também não pagou. “Por estes quatro motivos está inelegível, com os direitos políticos suspensos e não pode receber voto”, argumentou Bernardo à TRIBUNA. “Como diz a ministra Carmen Lucia: nós temos que ter a mesma ousadia daqueles que são inescrupulosos com o dinheiro público. Nós temos que perder o medo de julgá­los, eles não podem ficar impunes a vida inteira”, acrescentou o vereador ao comentar a decisão da Justiça.

Condenações no TJ 

Tureck é condenado pela Justiça Eleitoral por abuso de poder político e conduta vedada nas eleições de 2008, o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ­PR), em 2012, o condenou a 4 anos e 12 dias de detenção em regime semiaberto, à perda do cargo e à suspensão dos direitos políticos por 5 anos, por crime contra administração pública . O TJ­Pr condenou o ex­prefeito em ação civil pública por fraudar licitação e desvio de recurso do erário. O prazo de inelegibilidade pelo crime eleitoral, que era 3 anos, foi aumentado posteriormente pelo juiz da Comarca, Edson Jacobucci Rueda Junior por oito anos.

As condenações no TJ­Pr são referentes ao escândalo que ficou conhecido na cidade como “Sacolinha da Tim”. Como no entendimento do judiciário a pena começa a contar a partir da data da sentença, o ex­prefeito é considerado inelegível até o ano de 2026. O que chama atenção no julgamento penal de Tureck, foi o fato de relator do processo afirmar que ele, por lesar os cofres públicos, traiu os votos recebidos.


 FONTE: Walter Pereira / Jornal Tribuna do Interior



Nenhum comentário:

Postar um comentário